8 dicas para a criança comer melhor


Desde a criação da hashtag #pratododiamamaholic no insta, recebo muitas perguntas sobre a alimentação da Catarina. Nós começamos a soltar a corda de leve agora que ela completou 3 anos, mas continuamos rígidos com várias outras coisas, como por exemplo a quantidade de porção de frutas que ela precisa comer no dia para receber passe livre nas festinhas de aniversário. Não sou radical (fui sim até 2 anos e serei de novo com a Aurora!), mas definitivamente não é oba-oba. Cuidamos de perto da comidinha dela e não temos arrependimentos: ela come muito bem e, consequentemente, tem uma saúde de ferro.

Para falar sobre isso com propriedade, pedi para a Dani do Meu Nutri conversar um pouco com vocês a respeito. Ela é nutricionista especializada em atendimento materno-infantil, faz um trabalho muito legal com as mães e tem e-books (gratuitos e pagos) sobre introdução alimentar, escolhas saudáveis, receitas. Vale muito a pena conhecer o trabalho dela. =)


receitinha2

Como eu presto consultoria em escolas além dos atendimentos no consultório, volta e meia alguma mãe vem me perguntar: ‘Dani, como convencer e estimular a criança a ter uma alimentação mais saudável? ‘. Sempre me vêm ao menos 5 itens em mente e hoje estou aqui para compartilhá-los com você, lembrando que eles são de grande valia para todas as idades das crianças, desde a introdução alimentar, na fase pré escolar, escolar e até mesmo na adolescência.

Sempre digo que a criança é um ‘livro em branco onde escrevemos uma nova página por dia’, ou seja, a criança não sabe que o maracujá é azedo e ‘’’‘precisa’’’’ (com muitas aspas mesmo, porque quem tem essa ideia e necessidade somos nós, adultos, com o paladar viciado!) de açúcar para ficar gostoso. Eu agradeço todos os dias pelo fato de trabalhar com as crianças: é possível reajustar nosso paladar e atualmente quase não sinto necessidade de açúcar. Chego a apreciar os sabores azedos e amargos.

Uma criança não conhece batata frita, chocolate ou refrigerante até que alguém dê. Então, a regra geral é que PELO MENOS ATÉ OS 2 ANOS, mas preferencialmente até os 5, NÃO OFEREÇA ESSES ALIMENTOS A ELA. Pode ter certeza de que seu filho não vai ficar com vontade de algo que nunca viu ou experimentou.

nutri2Caso a criança já tenha experimentado e tenha o hábito de consumir, não deixe à mostra. A tendência é que elas não procurem primeiramente alimentos nos armários e na geladeira. Eles costumam escolher o que vêem primeiro, na altura dos seus olhos. Se deixar frutas, verduras e legumes nessa altura (já higienizadas e cortadas se for o caso), eles serão estimulados a consumir estes alimentos.

A seguir, listarei algumas outras dicas que você e sua família podem incorporar à rotina do pequeno para que ele venha a ter uma alimentação mais variada e saudável dia após dia:

1.Explique que exceção não é regra, ou seja, haverá dia em que o jantar poderá ser uma pizza e a sobremesa será sorvete, mas que isso não acontecerá frequentemente e, em ambos os dias, a criança e toda a família terá prazer e satisfação em comer;

2. Dê o exemplo: a criança copia a ação dos adultos, logo, de nada adianta você querer que o pequeno coma uma fruta de sobremesa, se você está comendo um bolo de chocolate com cobertura. O que vale para uma pessoa, deve valer para o outro também, independentemente da idade delas (ah, isso vale para todos os hábitos, viu? Desde comer sem distração, sentados à mesa, sem culpa, até mesmo relacionado às preferências alimentares);

3. Tenha momentos agradáveis antes e durante a refeição: peça ajuda da criança durante a preparação, por mais simples que seja. As crianças gostam de ajudar e tendem a pelo menos experimentar novos alimentos ou preparações quando são elas ‘que fizeram’;

4. Atenção às outras atividades durante a refeição: devemos ter atenção plena no momento de comer, logo, televisão, celular e qualquer outro meio de distração não deve estar presente. Essa atitude faz com que você e a criança observem mais os alimentos, sintam melhor o sabor e textura e aprendem a respeitar mais os sinais de saciedade, sem comer além do necessário;

5. Tenha atitudes positivas sobre a comida: não faça terrorismo durante a refeição, por mais difícil que pareça, não ameace ou brigue com a criança caso ela não coma. Isso fará com que ela tenha trauma da refeição/do ato de comer e aceite cada vez menos experimentar novos alimentos ou formas de preparo;

6. Leve a criança à feira ou ao supermercado e mostre os alimentos a ela. Se possível, deixe-a experimentar ali mesmo e diga para ela escolher 2 alimentos que vocês prepararão e comerão durante a semana;

nutri1

7. Não use o doce como chantagem: frase do tipo ‘se você comer toda a salada, vai ganhar um doce!’ nunca deve ser utilizada porque a criança vai entender que a salada é algo tão ruim, que quando ela consegue comer, merece até uma recompensa! Queremos que ela pense exatamente o contrário, não é mesmo?

8. Foque sempre no que a criança deve e vai comer e não no que não comer: com isso ela percebe a enorme variedade de opções gostosas, saborosas e saudáveis que ela pode consumir. Outra dica que ajuda muito é você deixar a comida em cima da mesa (a travessa de arroz, de feijão, da carne, da salada…) na hora da refeição (pelo menos alguns dias da semana) para que ela veja a variedade de alimentos e faça novas combinações em seu prato com aquilo que ela quer comer (não com o que você deseja que ela coma!).

E aí na sua casa, você já usou alguma dessas dicas? Quais foram os resultados? Tem alguma experiência positiva ou não tão bacana assim para nos contar?

Compartilhe conosco sua história…seu relato pode ajudar outras famílias que estejam passando pelo mesmo momento ou até mesmo a mim, para eu saber o que acontece além do consultório! 😉

Até breve!

dani2DANIELLE ANDRADE é nutricionista, especialista em segurança nutricional e qualidade de alimentos, especialista em nutrição materno-infantil, adepta da Nutrição Comportamental e fundadora da ‘Meu Nutri – Nutrição Infantil e Comportamental”, que tem como objetivo garantir o bem-estar, saúde e qualidade de vida através da mudança e inclusão de novos hábitos, promovendo assim uma alimentação saudável e equilibrada de gestantes, lactantes, bebês e crianças.

danielle.andrade@meunutri.com/
(11) 99460-2168
facebook.com/meunutri
instagram: @meunutri

 

imagens: pixabay

POSTAGENS RELACIONADAS

introdução alimentar
Por que o bebê não pode comer antes dos 6 meses?
November 20, 2017
pré natal
Mãe precisa de (MUITA) ajuda
August 28, 2016
empreendedorismo materno
A maternidade me transformou em uma profissional mais feliz
August 09, 2016
festa peppa pig
Festa de 2 anos da Catarina: a comida!
July 25, 2016
amamentacao
Curso Avançado em Amamentação
July 19, 2016
maternidade
A busca eterna pelo equilíbro
July 14, 2016
comida
Como congelar a comida do bebê
May 29, 2016
Choro-da-Madrugada
Padecer no Paraíso: Aham. Senta lá, Cláudia.
February 18, 2016
girl-797837_960_720
O verdadeiro tempo de cada criança
January 24, 2016

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com "*"