Brincando com Pé no Chão


Eu optei por não mandar a Catarina para a escola antes dos 2 anos. Diminuí a carga horária, rebolamos nos frelas, achamos uma babá mara, usamos e abusamos da minha mãe e conseguimos. E eu não vou mandá-la para a escola para se “desenvolver” (isso ela faz em casa) ou “socializar” (isso eles fazem de maneira bem rudimentar e progressiva até os 2 anos). Eu vou mandá-la para a escola porque ela é uma clássica criança de São Paulo, assim como eu fui: mora em apartamento e seu espaço de brincar se limita à área de lazer do prédio – que vamos combinar, não é grande coisa tirando a piscina. Ela já cansou dos 3 brinquedos do parquinho e a brinquedoteca é muito mais pobre do que a minha sala em termos de brinquedos. Coisa mais difícil é encontrar uma criança lá, para ela pelo menos dividir brinquedos, brincar ao lado, imitar. E se o tempo estiver ruim, se vira nos 72 metros quadrados muito mal distribuídos, Thaise!

Uma criança de 2 anos está explodindo de energia. A pilha não acaba nunca. Quer mexer, quer fuçar, quer correr, quer pular (Catarina não consegue ainda! hahahaha). Essa energia PRECISA ser gasta, para a saúde, o desenvolvimento físico e cognitivo. Precisam de estímulos diferentes, de pessoas diferentes para observar (melhor ainda se dorem crianças!), precisam explorar essa novidade da vez, a interação. Precisam DE ESPAÇO. Precisam de um lugar sem paredes, sem teto, de texturas, de novidades para explorar, por a mão, fuçar, pegar e mexer sem medo. Sem ganhar mil nãos.

E tem que buscar isso TODO DIA. Não é só mandar para a escola e desencanar. É sábado, domingo e feriado, principalmente. Shopping e mercado não contam, não são passeio. Crianças precisam do livre-brincar. Essa nova geração, que frequentemente não sabe brincar sozinha, não dá asas à imaginação, não aguentam esperar por nada, estão sempre entretidos e superestimulados. Se você manda seu filho para o quintal brincar e ele não sabe o que fazer, você tem um problema. Se seu filho não brinca sozinho e te chama sempre para brincar, você tem um problema.

Crianças precisam de momentos de brincadeira livre, de momentos de ócio. Essa nova geração é mantida ocupada 100% do tempo, tem baixa resistência à frustração, só sabe brincar de brincadeiras guiadas por um adulto.

Eu me esforço muito para conseguir proporcionar esse tempo para a minha filha mas frequentemente esbarro na questão espaço. Nós não temos um quintal. Catarina não tem um irmão para dividir esses momentos em um parque ou uma praia – e nem maturidade suficiente para sair fazendo amizade no conceito adulto da coisa… A Dorinha está até estressada, coitadinha!

No meio dessa crise toda, conheci o Espaço de Brincar Pé no Chão, que está para inaugurar. Fiquei absolutamente doida com o conceito: é uma casa enoooooorme, de livre brincar. A criança tem uma série de espaços, pelos quais pode circular livremente e decidir do que quer brincar. Uma brincadeira cansou, parte para a outra. Tem jardim. Tem horta. Tem área interna e duas áreas externas. Tem quiosque. Tem oficinas.  Tem muitos brinquedos e muito espaço livre.

Relaxando e comendo um sanduíche integral com cenoura

Relaxando e comendo um sanduíche integral com cenoura

 

Os pais podem usar como se fosse um parque e ficar brincando com as crianças ou deixá-las lá e sair para resolver alguma coisa: tem monitores! Também podem aproveitar o espaço para co-working e trabalhar enquanto a cria se diverte (Que sonho! Eu não consigo fazer nada em casa enquanto a Catarina está acordada…). Tem manicure, pedicure e depilação porque….toda mãe sabe porquê: ou você fica parecendo um ermitão (tipo eu) ou abre mão de horas preciosas com a cria já que salão não é exatamente lugar de criança (pensar em levar a minha de 1 ano e 10 meses me dá frio na espinha. Ela iria mexer em absolutamente TUDO). Tem nutri atendendo e dando palestras sobre introdução alimentar e alimentação materno-infantil em geral.

 

Tem lanche! Sim, sim. As crianças que estiverem lá no horário do almoço, lanche da manhã ou lanche da tarde têm à sua disposição um cardápio feito por nutri de acordo com o guideline da OMS: nada de açúcar, guloseimas, refrigerantes. Hoje eu senti a emoção de deixar a minha filha pegar o que ela quisesse na mesa e ficar absolutamente tranquila!

lanche4

Enfim, tem de tudo. A ideia é que os pais (a mãe, principalmente) possam resolver várias coisas em um só lugar enquanto a cria está muito bem, obrigada! Não é demais?

As crianças participaram de uma oficina sensorial hoje. Três bacias enoooormes: uma com água e vários utensílios de movimento e textura, uma com arroz e canequinhas, forminhas e uma com água e bolinhas de gel. Uma caixa retangular, cheia de texturas. Ao fundo, música clássica. As crianças ficaram absolutamente enlouquecidas. E ficaram livres para brincar onde e como quisessem, explorando as texturas, os volumes, o toque. Rolou fralda sendo tirada, mergulho na bacia, crianças empanadas de arroz e teve até quem saiu de lá direto para o banho (Siiiiiim! Tem banheiro com chuveirinho e banheira, dentro da salinha de dormir (é uma suíte de dormir!) e ao lado do trocador.

Sem palavras ver minha filha tendo todo esse estímulo, no meio de tantas crianças e depois saindo e voltando para o quintal, correndo descalça. Gargalhadas por causa das formiguinhas, carinho nas plantinhas, passeios de motoca…

Acho que vale muito lembrar e ressaltar que esse é o projeto da vida de duas mães – siiiiiiiiiiiiim, empreendedorismo materno!!!! – e isso fica claro o tempo todo. São detalhes pensados por mães. A segurança é primordial, tudo é baby-friendly DE VERDADE. Foi a primeira vez que eu deixei a Catarina brincar fora da minha vista. Eu sabia que ela estava segura e que sempre havia gente por perto. Sabia que ela poderia comer qualquer coisa que quisesse da mesa. Sabia que ela conseguia fácil acesso para me encontrar no salão principal. Não que ela tenha parado de brincar para me procurar…rs

Catarina andando para lá e para cá, super em casa

Catarina andando para lá e para cá, super em casa. Pé no chão <3

Caso os pais (as mããããããães!) estejam precisando descansar, tem opções também. Tem uma salinha especial para os pais, com TV, sofá graaaaande e silêncio (hahahaha ne-ces-si-to!)…mas tem também vários espaços pela casa que são extremamente aconchegantes e convidam a um momento de preguiça. Este onde aparecem a mamãe Aline e a Laura é o cantinho de leitura.

E 2 minutos depois de entrar no carro, eis a situação:

2min

Criança capotada é criança que aproveitou até as últimas forças!

Amei. Simplesmente amei. Não vou conseguir falar e colocar fotos suficientes para dizer o quanto.

Gostou também? Quer conhecer o espaço? No domingo, dia 10-01-2016 vai ser a festa de inauguração, com programação especial. Começa às 10h e é totalmente GRATUITO. Estarei lá!

inauguração

Sigam o Facebook do Espaço de Brincar Pé no Chão e não percam as novidades como palestras e oficinas para os pais e crianças, rodas de conversa para gestantes e muito mais. É muito fácil de chegar. Aproveitem para confirmar presença e….vejo vocês no domingo e nas férias, porque a programação está recheada:

ferias

Beijos,

Ise


Este conteúdo foi patrocinado por uma empresa na qual a Equipe Mamaholic confia – e aprova!
publieditorial Mamaholic

POSTAGENS RELACIONADAS

palhaço circo sp
Circo Spacial
October 01, 2017
meu filho não brinca sozinho
Meu filho não brinca sozinho. E agora?
March 26, 2017
criancas brincando
Crianças ativas se desenvolvem melhor
August 21, 2016
festa peppa pig
Festa de 2 anos da Catarina: a comida!
July 25, 2016
neo geo family
Neo Geo Family: opção para as férias
July 18, 2016
esperar
A arte de saber esperar
June 05, 2016
playground
5 coisas que as crianças aprendem no parquinho
May 17, 2016
aniversariopeppa
Festa de 2 anos da Catarina: o espaço e a decoração
April 28, 2016
12938275_10209201250888848_3456520046385363542_n
Festa de 2 anos da Catarina: as fotos!
April 27, 2016

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com "*"