Circo Spacial


Catarina adora o circo. Nós a levamos pela primeira vez quando ela tinha pouco mais de dois anos e estava estudando o vocabulário circense na escola. Foi amor à primeira vista. E quando não é? O circo é brilho, é mágica, é sonho e encanta crianças…e adultos! Eu não ia a circos há uns 25 anos e fiquei enlouquecida igual à minha filha.

Estávamos num final de semana tranquilo e resolvemos ir ao circo de novo. Escolhemos o Circo Spacial, clássico e tradicional. Cata estava contando os dias para chegar o momento do passeio.

Na hora de sair de casa, uma chuva torrencial, daquelas de primavera. O céu ficou preto, o limpador de vidro não dava conta dos pingos gigantescos e o trânsito ficou assustador. Tínhamos que atravessar a cidade e começamos a nos perguntar se havia sido uma boa ideia. “Circo e chuva não combinam” – falei para o meu marido – “Acho que corremos o risco de termos nos metido num belo programa de índio!”.

Que nada!

Quando chegamos, a chuva já havia passado por lá. Há estacionamento bem na porta (terceirizado R$10,00 – aceita cartões), de maneira que tivemos que dar meia dúzia de passos só para entrar. Mostrei tudo no Stories do Instagram.

Logo na entrada, uma espécie de praça de alimentação, com mesas, cadeiras, barraquinhas, pontos de foto. Várias comidinhas de circo, vários brinquedinhos de circo (aqueles que acendem, palhacinhos que pulam do cone…bem tradicional mesmo, igualzinho a quando eu era criança). Grata surpresa: custavam bem menos do que no último circo que havíamos estado. Quase tudo custava R$10,00: a tiara da Minnie que pisca, a espada que acende (Catarina ficou enlouquecida), o chaveiro com a foto da família (este último, inclusive, me fez suspirar. Todas as vezes que eu ia ao circo com meus pais quando era criança, tirávamos uma foto que vinha dentro daquele vidrinho de espiar…como é o nome daquilo? E sim, eu sou das antigas hahahahaha). Mais uma vez, para a alegria de famílias como a nossa que JAMAIS sacam dinheiro, aceitavam cartão.

Ponto de foto

Ponto de foto

circo spacial

Ficamos em um camarote quase dentro do picadeiro e foi a coisa mais legal do mundo. Primeiro

Absolutamente encantada

Absolutamente encantada

que não havia ninguém na frente atrapalhando a visão (eu tenho 1,60m, gente. Vocês não sabem como isso acontece na minha vida!), segundo porque nada paga a carinha da Catarina a um palmo dos artistas. Os olhos dela brilhavam. Ela nem piscava!

Foram muitas as coisas que nos agradaram:

Aurora mamando enquanto nós curtíamos o show.

Aurora mamando enquanto nós curtíamos o show.

Em primeiro lugar, o som. Não era aquele som insuportável de alto, que incomoda. No último circo que tínhamos ido, saímos antes do espetáculo terminar. Não dava para aguentar. O som no Circo Spacial estava ótimo, super claro, sem chiado, num volume excelente. Excelente o suficiente para não atrapalhar a Aurora (2 meses e meio) que praticamente dormiu e mamou durante dois terços do show. Nem voltou estressada para casa! E ela ainda enlouqueceu assistindo a um pouquinho do espetáculo. Na idade dela, luzes e brilhos são deleite puro!

A qualidade dos artistas: ninguém errou número nenhum – pelo

Aurora também assistiu ao show

Aurora também assistiu ao show

menos nós não percebemos. Os números eram dinâmicos, rápidos e que prendiam a atenção do início ao fim. Foram 2 horas de show e nós nem percebemos! Nos surpreendemos de verdade quando acabou. Inclusive a Catarina, que com 3 anos e meio, eventualmente cansa das coisas. “Mas mamãe…por que já acabou? Foi tão rapidinho!”. Nada como voltar com criança feliz e descansada para casa. Tudo absolutamente impecável: das roupas à execução. E MUITOS números com palhaços, que faziam a alegria das crianças – e dos adultos. Um deles, inclusive, famosíssimo: o palhaço Pingolé. Catarina chorou de rir no número dos instrumentos musicais!

A duração e o intervalo: no último circo que havíamos ido, havia zilhões de intervalos. Cada um com uma duração, nunca sabíamos quando o show ia voltar. E no meio tempo, só ficavam vendendo bexigas (carésimas), oferecendo diretamente para todas as crianças. No Spacial, houve só um intervalo. E foi avisado ao microfone: 10 minutos. Foi britânica a pontualidade. No meio tempo, Gustavo saiu comprar pipoca, refrigerante e água. E ninguém – NINGUÉM MESMO – ofereceu brinquedo direto para a Catarina. Os vendedores ficavam parados e atendiam quem chegava até eles. Não tinha aquela forçação de barra “Pede pra mamãe comprar para você….”. Outra coisa: começa pontualmente. Isso é lindo. Nós já compramos ingresso para às 16h num outro circo cujo show começou às 17h. Nós havíamos chegado meia hora antes. Isso quer dizer que ficamos esperando 1h30! Dessa vez, nada disso aconteceu.

palhaços circo spacialUma vez que entramos, nem lembramos mais da chuva. Caiu o mundo enquanto estávamos lá dentro e nem percebemos! Ficamos surpresos ao ver quando saímos. No final foi até bom porque a temperatura lá dentro estava superagradável para adultos e crianças. Preciso falar também da limpeza (sim, eu reparo!): nenhum papel no chão, nenhuma cadeira suja ou manchada.

Foi um passeio muito legal mesmo, que encheu nosso final de semana de alegria e mágica. A Catarina não para de falar do circo, disse que vai contar para todo mundo na escola amanhã. Eu a gravei falando um pouquinho no Stories. Espiem lá!

Nossa família recomenda muito. Do papai até o nenê, todo mundo curtiu! Saímos leves, relaxados e encantados.


Circo Spacial
Avenida João Dias, 2476 – Santo Amaro
Informações:  (11) 98234-3381

Horários:

Quinta e Sexta: 20h30
Sábados, Domingos e feriados: 16h, 18h e 20h30

Valores:
Camarote 4 lugares -  R$ 250,00
Frontal inteira: R$ 60,00 meia R$ 30,00
Cadeira inteira R$ 40,00 meia R$ 20,00
Popular inteira R$ 30,00 meia R$ 15,00

POSTAGENS RELACIONADAS

3 porquinhos
Dica de teatro infantil: Os três porquinhos e o lobo
September 04, 2016
neo geo family
Neo Geo Family: opção para as férias
July 18, 2016
cozinha
Brincando com Pé no Chão
January 08, 2016
capa
Lançamento “Minhas Histórias” – Vamos nos encontrar?
October 15, 2015

2 Comentários

Maria Lúcia Coêlho da Silva
Responder 7 de outubro de 2017

Nasci em 18 de março de 1960.

Maria Lúcia Coêlho da Silva
Responder 7 de outubro de 2017

Quero ler para minha sobrinha especial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com "*"