Como congelar a comida do bebê


A alimentação da Catarina.

Definitivamente esse é o maior dos nossos desafios. É bastante difícil alimentar uma criança adequadamente trabalhando fora, chegando na hora do almoço (eu e a Catarina chegamos às 13h em casa e ela dorme às 14h. Já pensou se eu fosse começar a cozinhar essa hora?). 

Por isso, pedi para a nutricionista materno-infantil Manola escrever um post para a gente sobre como congelar a comida do bebê e das crianças – e a nossa também, por que não? Aqui em casa vivemos cheios de dúvidas sobre o que pode e o que não pode. Achei que este post poderia ser útil também para vocês.

Ótima semana!


A correria do dia a dia, aliada à oferta de várias refeições prontas podem nos fazer cair em “tentação” e utilizarmos opções nada saudáveis na hora da alimentação dos pequenos, não é mesmo? Principalmente tendo em vista que em sua maioria, as opções  processadas do mercado são abarrotadas de aditivos e conservantes.

comidaPor outro lado, é visível a crescente preocupação com a alimentação saudável, principalmente na infância. Cada vez mais vejo em meu consultório mães e pais preocupados em oferecer aos filhos comida de verdade, cheia de nutrientes e, principalmente, cheias de sabor.

Uma opção prática para os dias atuais é congelar os alimentos. Portanto, vale se organizar, separar um dia na semana e preparar a refeição do seu filho, dividi-la em pequenas porções e ir descongelando durante a semana conforme a necessidade. Preparei um passo a passo bem simples para vocês fazerem em casa.

 1. Primeiro de tudo é preciso higienizar bem os alimentos que vão compor o prato do seu filho. Bebês, em especial, ainda têm o sistema imunológico imaturo e por isso são mais suscetíveis a desenvolver possíveis intoxicações.

            Você pode higienizar verduras, frutas e legumes com produtos próprios vendidos no supermercado mesmo. Quando não for possível, vale uma receita caseira que funciona do mesmo jeito: Primeiramente lave-os em água corrente, depois deixe-os de molho de 15 a 30 minutos na solução de 1 colher de sopa de água sanitária para 1 litro de água. (ATENÇÃO: a embalagem deve dizer claramente que o produto se trata de água sanitária e este deve estar de acordo com a regulamentação da Anvisa, ok?)

2. Escolha potinhos próprios para congelar. Alguns de vidro podem expandir e estourar caso não sejam próprios para esse uso. Os potes de vidro são a melhor opção para o congelamento, porém quando a única opção forem os de plástico, procure a informação “produto livre de BPA” (Bisfenol-A – alguns estudos mostram que essa substância é tóxica e atrapalha o funcionamento do sistema endócrino), e feche bem os potes para que os alimentos não sejam contaminados por outros no freezer.

3. Não prepare uma grande quantidade de refeição para servir o mês inteiro. Faça pequenas quantidades, para garantir que sempre haverá variação na comida do seu filho e assim, garantir o consumo de nutrientes diversos e evitar a monotonia alimentar. Variar os alimentos e a forma de preparo desperta a curiosidade das crianças e facilita a aceitação.

4. Alguns alimentos sofrem alteração de sabor e textura quando congelados, é o caso da batata. Tentem achar os melhores para esse processo como cenoura, chuchu, brócolis, carnes etc. Uma comida nutritiva é sim muito importante, porém precisamos cuidar para que o alimento também esteja saboroso.

5. Acabou o preparo? Colocou nos potes próprios? Então, direto para o freezer. Nada de deixar esfriar em cima do fogão, isso é um prato cheio para a proliferação de bactérias.

6. Não esqueça de usar etiquetas para identificar os alimentos e a data em que foram preparados. No freezer as refeições podem ser armazenadas por cerca de 1 mês (porém, lembrem-se do nosso combinado: não preparem grandes quantidades. Vamos variar a alimentação dos pequenos!).

Chegou a hora de descongelar as refeições para serem servidas.

1. Descongele as porções no refrigerador ou microondas. Nada de deixar em temperatura ambiente. Como já foi dito, as bactérias vão adorar se proliferar nesses alimentos que vão ficar por horas descongelando.comida

2.  O que a criança não consumir deve ser descartado. Uma vez descongelada, aquela refeição não deve ser congelada novamente. Por isso, para evitar desperdício, congele pequenas porções que serão descongeladas diariamente.

É importante lembrar que qualquer alimento sujeito ao mínimo processamento já estará perdendo nutrientes, mas para a opção de praticidade, esse método ainda é o mais benéfico. A comida fresquinha feita na hora, além de mais nutritiva, é mais gostosa. Por isso, procure variar e, sempre que possível, servi-la ao seu filho. Você pode intercalar, por exemplo. Quando você já sabe que a semana vai ser corrida, utilize esse método. Quando você sabe que terá um dia mais “livre” gaste um tempinho maior e prepare a refeição do seu filho na hora, que tal?

nutricionistaManola Miranda Sampaio é formada pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – Unirio e pós graduanda em nutrição pediátrica pelo Ipgs. Atualmente atende nas cidades de Nova Friburgo e Rio de Janeiro. Trabalha com crianças e adolescentes de 0 a 18 anos e também com gestantes, desde o momento em que decidem engravidar até a parte que envolve todo o pós-parto, principalmente, na questão do aleitamento materno. Acompanhe sua fanpage no Facebook clicando AQUI e siga seu instagram: @nutrimanolamiranda

 

POSTAGENS RELACIONADAS

introdução alimentar
Por que o bebê não pode comer antes dos 6 meses?
November 20, 2017
nutricionista infantil
8 dicas para a criança comer melhor
October 26, 2017
amamentacao
Curso Avançado em Amamentação
July 19, 2016
entrevista
12 coisas que você PRECISA saber sobre a alimentação do seu filho
December 03, 2015
Catarina no seu processo de IA - que foi lento e bem sucedido
Mousse de Maracujá Baby – SEM AÇÚCAR
November 04, 2015
receitinha2
Receitinha sem açúcar
September 14, 2015
AmamentacaoPeq
O sistema contra a amamentação
July 10, 2015

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com "*"