O parceiro também é “tentante”!


Quando um casal está tentando engravidar e por algum motivo demora um pouco a conseguir, é comum que vejamos só as mães fazendo exames e investigações.

Na verdade, acho que é primeira mais comum por um simples motivo: nós vamos ao médico e eles não. Sei lá, posso estar generalizando, mas nenhum dos XYs que eu conheço acorda pensando em fazer um check-up, investigar eventuais problemas, sintomas estranhos. Meu marido, por exemplo, vive repetindo que “quem vai ao médico, encontra doença”. Nem entremos no mérito de que é de uma ignorância – e de uma preguiça – gigante essa postura deles. Mas é também muito comum, infelizmente. O parceiro também é “tentante”!

Quando eu estava tentando engravidar, todos os esforços eram voltados a mim. Os meus hormônios. O meu útero. Os meus ovários. O meu peso. Os meus remédios. A minha vida estressante. A minha alimentação. O meu sedentarismo. Isso faz todo o sentido considerando que é mais do que necessário preparar a “casinha” do bebê. Mas se pensarmos que o bebê precisa chegar até ela antes, fica tudo meio nublado só olhar um dos lados da equação.

Não sei se por machismo bobo, dos parceiros e dos médicos, acaba que isso acontece com uma frequência enorme. E o risco é cair num caso como o meu: tomei 6 meses de indutor de ovulação (à toa!)  e meu marido tinha varicoceles.

Quando ele fez o primeiro espermograma, eu já estava no indutor. O médico já me receitou no segundo mês de tentativas, “para melhorar a qualidade da ovulação”. Esse mundo de tentantes ainda era bem novo para mim, eu fui pesquisando, estudando e aprendendo com o tempo. Apesar do médico ter dito que o espermograma do meu marido estava normal, eu o levei num urologista. O mesmo pediu um exame de laboratório – que voltou negativo – para ver se havia varicoceles.

Continuei esperando, tomando meus hormônios (engordando loucamente) e cismada. Novo espermograma – pior que o anterior – e fui em novo urologista.

Eu ovulava 3 óvulos bons por mês e nada de bebê. Na minha cabeça uma coisa ficou clara: comigo está tudo certo, mas não estão investigando o Gustavo direito. Eu estou correndo o risco de engravidar de trigêmeos e pedir música no Fantástico e naaaaada acontece? Tinha pelo nesse ovo.

Levei o marido num especialista. Mas não era só “um especialista”: ele era (é) referência na área. Fez um exame no consultório mesmo e me chamou para ouvir: “Está ouvindo esse chiado? São varicoceles.”

Mas não era só isso. Meu marido tomava três remédios que, juntos, atrapalhavam bastante a concepção. Abandonou um (sob supervisão do médico especialista da área), trocou outro por um similar com menos efeitos colaterais e outro manteve.

Foi encaminhado para uma profissional que redesenhou a dieta dele para cuidar do colesterol já que ele não mais estaria tomando remédios e para impulsionar a fertilidade. Os espermogramas foram totalmente diferentes dos feitos em laboratórios, nunca colhendo uma só amostra e com padrões totalmente diferentes dos que ele havia feito antes.

E aí fez a cirurgia. Operou de noitão e saiu antes do almoço do dia seguinte. Super simples e tranquila.

Sabem o que aconteceu exatamente um mês depois? Me descobri grávida. Sem tomar nenhum indutor, sem fazer grandes malabarismo. Aparentemente a minha ovulação não estava de tão baixa qualidade assim, não é?

Um bebê se faz A DOIS. E ninguém que está tentando pode se esquecer disso.

PARA SABER MAIS SOBRE INFERTILIDADE MASCULINA

Clínica Dr. Jorge Hallak

GQ Brasil

Hospital São Paulo

IPGO

POSTAGENS RELACIONADAS

Arquivo24
Ensaio Gestante
September 26, 2017
sintomas gravidez
10 sintomas estranhos na gravidez
May 21, 2017
choro
10 motivos legítimos para uma grávida chorar
February 15, 2017
feminismo
Empatia
December 17, 2016
gravida
Gravidez é uma m…!
December 10, 2016
antes do atraso
Grávida de novo!
November 19, 2016
amamentacao
Curso Avançado em Amamentação
July 19, 2016
tentante
Vim de Angola para o Brasil realizar meu sonho de ser mãe
June 07, 2016
mulheraprisionada2
Pelo direito de ser gente
December 17, 2015

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios são marcados com "*"